domingo, 4 de agosto de 2019

Ato III - Período Clássico, das Leis à Cultura



Da união das pólis gregas às civilizações suméria e egípcia, passando pelo império persa e a difusão da cultura helenística até chegar ao grande apogeu de Roma, o homem evoluiu de sua religiosidade e formas geometrizadas para a busca filosófica e naturalista. Nesse salto espetacular, ele desenvolveu conceitos como cidadania, democracia e metafísica, chegando até mesmo a flertar com a teoria atômica e o heliocentrismo. Ao tentar descrever o seu mundo por meio da reflexão, o homem elevou a ciência, as artes e a cultura a níveis não superados nos quinze séculos seguintes.
~
Descrição da cena: Cléripe debate com senadores uma proposta de escolha para os cargos públicos que fosse ainda mais democrática e justa que a eleição pelo voto.

Cléripe                     
Senadores e demais homens livres aqui reunidos, fica a pergunta: como vamos resolver esse impasse? 
Címon                     
 Caro Cléripe, todos os senhores aqui presentes podem votar e ser votados. Não existe forma mais perfeita e mais democrática de escolha.
Cléripe                    
 Senador, não estamos dizendo que a escolha pelo voto seja ruim. Apenas mostrando que ela não é justa o suficiente.
Címon                     
 Como não é justa? O próprio Clístenes não seria mais ousado!
Tesefião                   
Um momento, senador Címon, deixe-o falar.
Cléripe                     
Todos nós, homens livres, ricos e pobres, podemos votar e ser votados. Porém, o poder político permanece sempre com as mesmas famílias.
Címon                      
A fortuna de algumas famílias não é motivo de desonra, é uma virtude que deve ser valorizada!
Tesefião                   
Concordo, senador Címon, o poder e a riqueza de um homem não são motivo de desonra.
Címon                      
Obrigado, senador.
Tesefião                   
Porém, a riqueza herdada ou adquirida tampouco é uma virtude, mas rende sempre muitos votos. Eu vou dar razão a Cléripe.
Címon                      
Caro senador, está afirmando que eu não tenho a virtude necessária para o cargo por ser de uma família aristocrática?
Tesefião                   
De modo algum! Apenas recordei que a virtude que queremos é somente aquela adquirida pela prática recorrente da ética, quando se pratica o correto mesmo sem a obrigação de fazê-lo.
Cléripe                     
Pelo mesmo motivo, não devemos votar em um bom pagador de impostos. Não existe virtude na ética passiva, quando se age involuntariamente ou por coerção.
Címon                      
E qual é a sua proposta, caro Cléripe? O que poderia ser melhor do que a escolha pelo voto?
Cléripe                     
Caros senadores, eu proponho um método que trate a todos igualmente, sob as mesmas regras e sem distinção: um sorteio! (plateia murmurando)
Tesefião                   
É realmente uma proposta interessante. Porém, como todos poderiam participar, não corremos o risco de escolher alguém sem a virtude necessária?
Cléripe                    
Todos os homens livres podem participar do sorteio, mas, assim como nos cargos eletivos, o escolhido deverá ser virtuoso e cumprir com os critérios atuais.
Címon                   
Não vai funcionar, podemos sortear alguém que more longe, no interior ou no litoral. Não podemos depender de alguém que ficará a maior parte do tempo ausente desta assembleia...
Tesefião            
Todos os cidadãos têm o direito à palavra, à igualdade das leis e à participação política. Caso precise, podemos pensar em alguma forma de compensação financeira.
Cléripe            
Ninguém deverá ser penalizado em seu direto à plena democracia. Perfeito, senador! Acho que conseguimos.




+++ 
https://www.americanas.com.br/produto/1639163732/livro-pequeno-teatro-da-civilizacao-ocidental


Nenhum comentário:

Postar um comentário